Portas abertas para o mundo

Fábrica da BRF nos Emirados Árabes Unidos estreita laços com culturas e gostos locais a partir do entendimento de variáveis que impactam no consumo de alimentos.

Dubai_revistabrfonline

É fato que os Emirados Árabes Unidos têm uma localização geográfica privilegiada, entre o leste e o oeste, sendo um ponto de encontro para o comércio mundial. Não à toa, são considerados porta de entrada para países da Ásia, Europa e África.

Mas estabelecer-se por lá requer um jogo de cintura que vai além das estratégias de negócios pura e simplesmente. É preciso saber lidar com uma diversidade até mais complexa que a do mercado brasileiro.

“Ao desafio de criar sabores específicos para paladares completamente distintos se soma a necessidade de uma comunicação extremamente fragmentada”

Patrício Rohner, diretor regional para o Oriente Médio

Estudo do Departamento de Estatística dos Emirados Árabes Unidos indica que a população local chegou a 8,26 milhões no final de junho de 2010. Do total de cidadãos, apenas 11,5%, ou 947.997, são nascidos no próprio país. Em contrapartida, os expatriados somam 7,31 milhões, ou 88,5%.

Expatriados somam 88,5% dos 8,26 milhões de habitantes dos Emirados Árabes Unidos

Na comparação entre 2006 e 2010, a população total dos Emirados Árabes Unidos cresceu 65%, enquanto que somente a de expatriados aumentou 75% na mesma base de comparação, segundo informações do site de notícias Arabian Business.


É nesse cenário que a BRF vai construir a primeira fábrica da companhia no exterior. As demais unidades, situadas na Holanda, Inglaterra e Argentina, foram adquiridas. No Oriente Médio, a unidade de alimentos processados consumirá investimentos da ordem de US$ 120 milhões.

“A ideia é exportar do Brasil matérias-primas que serão processadas na fábrica, para consolidar nossa posição de liderança no Oriente Médio e fortalecer nossas marcas localmente”

Antonio Augusto De Toni – Vice-presidente de mercado externo

A fábrica terá capacidade de produção de cerca de 80 mil toneladas por ano, quando atingir a plena capacidade em 2017. O início das operações está previsto para o final de 2012. Serão fabricados na unidade produtos empanados, hambúrgueres, pizzas, industrializados e marinados. “Estamos na fase final de escolha do terreno onde será localizada a fábrica, que poderá ser em Abu Dhabi, Dubai ou Al Alain”, ressalta De Toni.

Hoje, 32% das exportações da BRF são destinadas para o Oriente Médio, que dedica especial importância ao desenvolvimento de suas relações econômicas com os outros países do mundo. É signatário de mais de 30 acordos de cooperação nas áreas econômicas e comerciais a nível regional e internacional, além de possuir 12 zonas francas.
Para a BRF, aumentar a produção em países com essas características, mais do que reduzir a dependência das exportações, sujeitas a diversos tipos de entraves técnicos, políticos, sanitários, é também uma maneira de aproximação das culturas e gostos locais a partir do entendimento das variáveis que impactam no consumo de alimentos ao redor do mundo.

 

Comentários estão fechados.

Slider by webdesign