Começam os embarques para o Japão

Expectativa é que o país seja um grande cliente de carne suína da BRF

revista_brf_ed100_internacionalização

A carne suína processada na fábrica de Campos Novos, no sudoeste de Santa Catarina, está a caminho de ser consumida em um novo e promissor mercado no exterior: o Japão. A remessa de um lote de cortes de filé de lombo e sobrepaleta de lombo faz da BRF uma das primeiras empresas brasileiras a embarcar carne de porco para o país asiático. O mercado japonês, o maior do mundo, é uma conquista recente para os produtores brasileiros. A autorização oficial para importação do Brasil foi concedida pelo governo japonês no fim de maio deste ano. A expectativa da BRF é que, dentro de três anos, as vendas para lá tornem o país um dos principais clientes da empresa. “Além de ser um grande consumidor, o Japão é um mercado estável”, diz Wilson de Mello Neto, vice-presidente de Assuntos Corporativos da BRF.

O comprador é a Mitsubishi, grupo empresarial que, entre outros negócios, atua como um dos maiores do setor de carne no Japão. A relação comercial entre a empresa japonesa e a BRF começou no fim da década de 1990 e se consolidou nos últimos três anos, com o fornecimento de cortes de frango.


Unidades habilitadas

Produção em Santa Catarina

Para o fornecimento ao Japão, foi indispensável a obtenção de uma distinção que só o estado de Santa Catarina conseguiu até agora no Brasil: o reconhecimento pela Organização Internacional de Saúde Animal de que é um território com o rebanho livre de febre aftosa sem a necessidade de vacinação. A diferenciação é fruto de um esforço de controle sanitário, desenvolvido pelo governo catarinense com apoio do setor privado e de pecuaristas. A BRF tem duas de suas 12 unidades produtivas em Santa Catarina habilitadas para o abate e a produção de carne suína destinada ao mercado japonês – além de Campos Novos, a fábrica de Herval d’Oeste recebeu o aval.
Primeira a aproveitar a oportunidade, a fábrica de Campos Novos passou a pertencer integralmente à BRF no fim de 2011, logo após ficar pronta. Projetada para atender os principais mercados no exterior, foi construída pela Copercampos, uma das maiores cooperativas agroindustriais catarinenses e parceira da BRF.

Produção em Santa Catarina

A Copercampos permanece como supridora de animais para o abate na fábrica. “Adquirimos a unidade pensando na abertura do Japão”, afirma Mello. A fábrica de Campos Novos já vinha exportando para Hong Kong, Haiti e Angola e está habilitada para fornecer também para Cingapura e Ucrânia.
Com 32 mil metros quadrados de área construída e 1.800 funcionários, Campos Novos produz cortes de carne in natura e fornece matéria-prima para a industrialização de produtos em outras unidades da companhia. Atualmente, abate por dia 2.800 cabeças de suínos, tendo ampla capacidade para suprir os novos compradores, pois pode abater até 7 mil animais por dia. Isso permite uma produção anual de 150 mil toneladas de carne.

Produção em Santa Catarina

Para atender os mais exigentes mercados do mundo, a unidade é dotada dos mais avançados padrões de tecnologia e sustentabilidade – tais como lagoas para captação e aproveitamento de água da chuva, descarte correto de resíduos, compostagem de resíduos orgânicos, redução no consumo da energia elétrica e reflorestamento de áreas localizadas nas proximidades. Assim como Campos Novos, a outra fábrica da BRF aprovada pelos japoneses tem credenciais de primeira. Herval d’Oeste foi uma das cinco a merecer ouro na mais recente premiação do Programa de Excelência da BRF, que destaca as unidades por indicadores operacionais e de sustentabilidade.

Fábrica de Herval d’Oeste (SC)

Comentários estão fechados.

Slider by webdesign